quarta-feira, 19 de abril de 2017

COMO AJUDAR A CRIANÇA A SEGURAR O LÁPIS CORRETAMENTE.

O traçado é uma questão importante na fase da alfabetização, pois é através dele que a criança registra o que compreende.

Um dos problemas mais comuns é a forma da criança segurar o lápis, as vezes falta força na mãozinha ou então a criança impõe muita força por isso acaba segurando o lápis com a mão toda. Mas e aí, como melhorar o traçado, a escrita, a letra da criança que já está no 1º ano e apresenta os problemas citados?

Na verdade, e não é uma regra, a idade ideal para a criança começar a traçar com lápis é a partir dos 3 anos. Uma série de exercícios de psicomotricidade, viso motores etc., precedem a apresentação de um lápis para os pequenos.
Enfim, se essa fase passou e a criança em questão queimou essa etapa, a professora da sala poderá fazer tentativas para que ela melhore seu traçado:

A primeira dica é utilizar um lápis jumbo, porque ele facilita o movimento de pinça.

A outra dica é usar um lápis curto, assim a criança não conseguira apoiar sua mão no final do lápis, obrigando-se a pinçar a ponta.

Em terceiro, você pode encaixar um prendedor de roupas no lápis, facilitando a pegada do dedo médio e do polegar da criança. Assim ela conseguirá fazer o movimento, com o dedo indicador fixo, estável no prendedor.

Em ultimo lugar, mas essa dica confesso que ainda não testei, é fazer com a criança segure uma bolinha de papel amassada com os 2 últimos dedos, ao mesmo tempo que segura o lápis. Segue a lógica do pregador.

Basta treinar um pouquinho, depois a criança não vai deixar mais os dedos escaparem do lápis. O assunto é extenso, e por hoje selecionei essas dicas que são simples, porém eficientes. Se tiverem outras dicas, compartilhem com a gente nos comentários abaixo.


Espero que gostem e aproveitem!! Bjo grande, até a próxima!!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

5 DINÂMICA DE VOLTA AS AULAS


1) Os materiais que vamos usar:

Esconda na sala sacos ou embrulhos contendo materiais diversos que farão parte do cotidiano da meninada. 
Pode ser, por exemplo, livros, jogos, pincel, tesoura ou um pouco de argila. Peça às crianças que procurem, em duplas, pelos objetos. Isso já estimula a cooperação entre elas. Oriente a busca dizendo "quente", se o que procuram está perto, "morno", se está a uma distância média, ou "frio", quando estiver longe. 
Depois que todos os pacotes forem encontrados, pergunte que atividades podem ser feitas com os materiais e aproveite para explicar melhor a função de cada um. 
Mostre como e onde eles ficarão guardados, chamando a atenção para a importância de manter o ambiente de trabalho sempre bem organizado.

Recomendado para: Educação Infantil
2) Meu nome é...

Faça crachás com o nome das crianças e coloque no chão da sala, no meio de uma roda. Peça que cada uma identifique seu nome. Incentive o reconhecimento das letras iniciais, conte quantas letras compõem cada nome e faça com que elas percebam letras iguais em nomes diferentes. 
Quando todas já estiverem com crachá, comece um gostoso bate-papo sobre as preferências de cada um quanto a um tema predeterminado (como alimentos, brincadeiras, objetos ou lugares). Agrupe as crianças de acordo com as afinidades. Na etapa seguinte, peça aos alunos que desenhem aquilo de que gostam em uma folha e coloquem o nome.
 Quem não souber escrever sozinho pode copiar do crachá. Depois de prontos, os desenhos são mostrados aos colegas e, em seguida, expostos no mural. 
Com os alfabetizados, a dinâmica é a mesma, mas, além de desenhar, eles podem fazer uma lista de suas preferências.

Recomendado para: Educação Infantil
3) Turismo na escola:

Se a sua turma for de 1ª a 4ª série, divida os alunos em grupos. Esse é um bom momento para integrar os novatos. 
Deixe-os junto aos veteranos, que devem se comportar como verdadeiros guias e anfitriões. 
Em cada folha de papel, descreva um local da escola, coloque os textos em uma caixa e organize um sorteio. 
Cada grupo retira um papel e tenta adivinhar qual é o local descrito.
Em seguida, desafie os grupos a encontrar os locais sorteados. Chegando ao destino, os alunos desenham o ambiente com o máximo de detalhes, escrevem o nome dos funcionários que trabalham lá e a sua função.
De volta à classe, os grupos trocam observações e registros e expõem suas produções. 
Num segundo momento, peça a eles que produzam um mapa da escola (com a sua ajuda, é claro) numa folha de cartolina. 
Em cada local específico do mapa, os desenhos são fixados. Estimule os grupos, nos dias seguintes, a visitar as dependências que ainda não foram percorridas.
Em turmas de 5ª a 8ª séries, a garotada pode fotografar esses lugares e fazer entrevistas mais longas com os funcionários.
Nesse caso, você não precisa fazer o mapa e pode pedir textos detalhados sobre os diversos "pontos turísticos" da escola.


4) Direitos e deveres:

Já nos primeiros dias, estabelecer os famosos combinados pode evitar problemas e garantir um bom relacionamento ao longo do ano. Comece discutindo com a garotada o que espera do ano que se inicia e qual a melhor maneira de trabalhar em grupo para alcançar esses objetivos.
Formule com todos (e escreva no quadro) a continuação das seguintes frases: "Temos direito a..." e "Somos todos responsáveis por..."
Lembre-se de que a declaração de direitos e deveres deve ser inspirada nas normas gerais da escola - que os alunos precisam conhecer - e ser focada no que deve ser feito, e não no que é proibido. 
A etapa seguinte é descobrir o que as outras turmas da escola combinaram. 
A troca de informação, além de enriquecer os tratados feitos por eles, promove a integração com colegas de outras classes.
Ao terminar, peça a cada um que copie os tratados e cole na agenda. Assim, o texto estará sempre à mão. 
Além disso, os estudantes podem produzir dois grandes cartazes em cartolina para pendurar na parede da classe.


5) O que vamos aprender:

Todo ano é a mesma coisa: o que esperar da série que se inicia? Uma situação desconhecida sempre dá um friozinho na barriga. 
Para baixar a ansiedade da meninada, registre no quadro algumas dúvidas e expectativas do grupo sobre o trabalho na nova classe e convide alguns estudantes da série seguinte para respondê-las. 
Deixe que falem livremente sobre as suas impressões e vivências como ex-aluno da série. 
Esse intercâmbio, logo no início, deixa a turma mais tranquila e segura e valoriza a cooperação e a interação entre diferentes classes.